Advogado diz que miliciano ligado a Flávio Bolsonaro tinha certeza de que seria morto


Foto: Reprodução

Morto em uma ação policial em Esplanada, no agreste baiano, Adriano Magalhães da Nóbrega, disse ao advogado dele que tinha “certeza” que tramavam a morte dele. Segundo o Estadão, o homem apontado como chefe do “Escritório do Crime”, milícia com atuação no Rio de Janeiro, ligou para o advogado Paulo Emilio Catta Preta. Adriano relatou que tinha certeza que queriam mata-lo para “queimar o arquivo”.

A ligação teria ocorrido na última quarta-feira (5). A viúva do também ex-capitão da PM carioca fez o mesmo relato. Adriano da Nóbrega é suspeito de envolvimento na morte da vereador Marielle Franco. Ele também estaria incluso em um esquema de “rachadinha” no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro, que chegou a homenagear Adriano na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Do BN